22 de abril de 2021


Como abrir um ecommerce do zero

Pensando em abrir um ecommerce? Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, a ABComm, no Brasil, a cada um minuto, abre uma loja virtual desde o início do isolamento social, em março. Mas, a gente sabe que começar um negócio online demanda trabalho, por isso, elaboramos um passo a passo de como conseguir desenvolver seu e-commerce do zero.

O primeiro passo é montar seu plano de negócios

Pode parecer óbvio, mas muitos empreendedores esquecem de planejar bem essa etapa. O que acaba prejudicando o desenvolvimento da empresa, nesse caso, do ecommerce. É no plano de negócios, que você descobrirá se a sua ideia é viável ou não, nele você definirá os pontos estratégicos, mercadológicos, operacionais e financeiros. Ou seja, é fundamental para você abrir seu ecommerce.

Defina o domínio e hospedagem do seu Ecommerce

O domínio e a hospedagem, são coisas distintas, porém, muitos acabam confundindo os dois termos.

Domínio: é o endereço eletrônico por onde seu site será encontrado. Registra-lo, além de gerar mais credibilidade, traz segurança para quem está visitando seu ecommerce.

Hospedagem: já a hospedagem funciona como um espaço onde seu site será armazenado e gerenciado. Alguns sites oferecem pacotes com os dois serviços, o de registro e hospedagem, e geralmente o custo é mais vantajoso!

Sendo assim, ao escolher leve em conta os recursos que a empresa oferece, como: suporte 24h, armazenamento de dados, redirecionamento de links e e-mails, painel de controle e a confiabilidade do serviço.

Plataforma de Ecommerce

Nessa etapa você pode alugar, comprar ou contratar um desenvolvedor para criar o seu site do jeito que você quiser.

Mas, sabemos que a maior parte dos empreendedores começa com um orçamento mais enxuto, e não tem como investir no desenvolvimento de um site do zero. Hoje existem diversas ferramentas para criar sites a partir de templates. Essas ferramentas se destacam por serem intuitivas e fáceis de usar. Mas, quando for fazer a escolha da sua plataforma, fique atento, analise se as funcionalidades irão comportar todas as necessidades de um ecommerce.

Escolha as formas de pagamento

Uma etapa importante, que influenciará na saúde financeira do seu negócio. Portanto, para escolher as formas de pagamentos, verifique se são fáceis de integrar na plataforma de gestão do ecommerce. Inconsistências na forma de pagamento proporcionam uma experiência frutante para o usuário, e comprometem o venda.

Sendo assim, existem diversas formas de pagamento disponíveis, como: boleto bancário, cartão de crédito, carteiras digitais e entre outros. Mas, é importante que você identifique quais meios de pagamentos são mais usados pelo público-alvo, assim você conseguirá ser mais assertivo na escolha.

Integração de formas de pagamento ao seu Ecommerce:

  • Intermediário de pagamento

Atuam como uma ponte entre o consumidor e as instituições financeiras, facilitando o processo de pagamento, e uma grande vantagem é que oferecem várias bandeiras de cartões.

Porém, traz algumas desvantagens, o abandono de carrinho, já que a pessoa precisa ser direcionada a uma página fora do site, e o prazo de até 48h para confirmar o pagamento. Um dos grandes benefícios, é que já possuem um sistema antifraude integrado.

Os principais intermediários de pagamentos são: Paypal, Moip, Mercado pago, PagSeguro e entre outros. Os intermediadores de pagamento geralmente possuem taxas mais altas que os Gateways de Pagamentos. Mas, oferecem acessibilidade a pequenos e médios empreendedores.

  • Gateway de pagamento

O gateway é um sistema de pagamento que faz a conexão entre o ecommerce e os sistemas de pagamentos. Portanto, é como se ele fosse uma maquininha de cartão virtual, seu cliente coloca as informações solicitadas, que são enviadas para o responsável pela bandeira de cartão. A instituição verifica se existe limite disponível e autoriza ou nega a transação.

Ele tem uma integração simples com qualquer tipo de sistema de gestão. É um método ágil, e tem um checkout transparente, já que o pagamento é feito na própria loja virtual.

As taxas são mais acessíveis, mas precisa de um contrato especifico com cada bandeira de cartão, o que acaba sendo inviável para pequenos e médios empreendedores. Outra desvantagem, é que é preciso investir em um serviço de segurança antifraude, já que gateway não oferece essa cobertura.

Alguns exemplos de Gateways de Pagamentos: Braspag, CobreBem, MudiPagg. Um dos grandes benefícios é a disponibilidade de a várias bandeiras de cartão, como: Amex, Dinners e entre outros.

  • Adquirentes

Os principais exemplos de adquirentes são: Rede, Cielo, Stone, GetNet e entre outros. Eles funcionam como um terminal de cartão de crédito, eles se comunicam com as bandeiras de cartões e bancos emissores para processar as transações.

Um dos grandes benefícios é que eles possuem as taxas mais baratas do mercado, e possuem certificado de PCI Compilance, o que garante que o armazenamento e a transmissão dados aconteça de forma segura.

Sendo assim, o único ponto negativo é que não possuí sistema antifraude e precisa ser contratado separadamente.

Fique atento ao checkout

O abandono do carrinho de compras é um dos principais obstáculos para o crescimento de um e-commerce. De acordo com pesquisas realizadas pelo Ecommerce Radar, a taxa de abandono de carrinho é de 82%, ou seja, mais da metade dos consumidores já deixaram de comprar alguma coisa.

Muitos fatores podem influenciar nessa decisão, como: frete muito elevado, insegurança ao adicionar dados pessoais, formas de pagamentos, e um dos principais, checkout muito complicado.

Portanto, simplifique o checkout, foque na experiência do usuário, evite pedir dados desnecessários. O ideal é que não seja um processo longo e complexo, uma ótima alternativa é focar em um login social. Assim, ele consegue se cadastrar no seu site a partir de alguma rede social. Além de melhorar a experiência do usuário no ecommerce, você reduz a quantidade de dados a serem armazenados no site.

Ofereça um bom canal de atendimento online, ter uma comunicação transparente e assertiva, além de passar mais segurança, dá a possibilidade de tirar possíveis dúvidas sobre seu produto/serviço.

Invista em marketing

Essa dica serve para qualquer tipo de negócio, a concorrência online é gigantesca, afinal, hoje qualquer pessoa pode abrir um negócio online, por isso, para você se destacar você precisa criar uma boa estratégia de marketing, que o diferencie dos seus concorrentes.

Mas, quando a gente fala sobre Marketing Digital, temos que entender que existem uma infinidade de estratégias, e você só vai saber qual aplicar no seu negócio quando o conhece-lo de fato.

Portanto, entenda que investir na presença online do seu ecommerce não quer dizer que você precisa estar em todas as redes sociais, então nada de sair criando contas impulsivamente por aí, ok? Primeiro, entenda quem é o seu cliente, assim você vai entender que rede social mais usa, quais assuntos ele mais se interessa e que horário ele vai estar online.

Marketing de conteúdo tem sido uma boa estratégia para e-commerce, já que se bem feito, garante uma boa posição no Google, isso significa mais visibilidade para a sua marca. Ele se destaca por não ser uma estratégia agressiva, já que ele atrai naturalmente o seu possível cliente a consumir seu conteúdo.

Esteja sempre atento aos seus resultados, o grande benefício no investimento em estratégias de marketing digital é que elas são facilmente mensuradas, o que permite que você as melhores constantemente, e aumente a sua conversão com um orçamento mais enxuto.

Logística

Se o seu produto é físico, você precisa decidir como fará os envios, segundo a ABComm, 61% das lojas virtuais tem algum problema com atraso nas entregas dos produtos. Por isso, aposte em uma estratégia de logística eficaz. Atrasos e falhas na entrega, podem significar a perda do seu cliente.

Uma boa estratégia deve englobar o gerenciamento do seu estoque, entregas e do ciclo de suprimentos. Mas, hoje vamos falar mais especificamente sobre o gerenciamento de entregas.

  • Transportadoras

Um ponto positivo da transportadora, que ao contrário dos correios, não existe o limite de 15 kg por mercadoria. Você pode transportar qualquer coisa e de qualquer tamanho. Outro diferencial é eles coletam a mercadoria no local que você preferir, ou seja, você não precisa se deslocar até o centro de distribuição para realizar o despache.

Se você trabalha com um grande volume de mercadorias, apostar em uma transportadora é uma boa opção. Grande parte das transportadoras negociam o valor do envio quando o fluxo de mercadorias é grande. Mas, para quem trabalha com um fluxo menor e com objetos pequenos, não é uma boa opção, já que o custo costuma ser alto.

Um ponto alto, é que a maior parte das transportadoras possuem um seguro para a carga. O correio também oferece, porém o seguro é de 1% sobre o valor da carga, e a burocracia para o resgate é bastante complexa.

Um benefício em investir em uma transportadora é a segurança do cumprimento dos prazos, já que o que o risco de acontecer uma greve é difícil, o que no dos correios já recorrente.

Existem diversas transportadoras, na hora de escolher fique atento aos detalhes. Por exemplo, prazo de entrega, reputação da transportadora, custo benefício e como ela se comporta em períodos de pico, como no dia das mães, Black Friday e entre outras datas.

  • Correios

Um dos pontos positivos em trabalhar com os correios, é que as pessoas se sentem mais seguras, pela credibilidade da marca. Sendo facilmente integrado nas plataformas de ecommerce.

Assim como nas transportadoras, para empresas com grande fluxo de mercadorias, os correios oferecem a possibilidade de um contrato com taxas mais acessíveis. Proporcionando comodidade, com o pagamento sendo realizado mensalmente por uma única fatura, no lugar de de fazer o pagamento a cada mercadoria despachada.

Algumas das desvantagens são: a restrição de tamanho e peso, para alguns serviços, o destinatário precisa retirar a encomenda nos correios e possuí risco de dano em encomendas mais frágeis.

  • Operador de Fulfillment

De acordo com a ABComm, gastos com armazenamento e manuseio de produtos representam 19,3 % dos custos de lojas virtuais. E como uma ótima alternativa, entram os operadores de Fulfillmente, um serviço logístico, que engloba todas as operações necessárias para o bom andamento do seu ecommerce. Desde o armazenamento do produto até o despacho dele, se trata de uma terceirização de todas as atividades ligadas a logística.

Isso na maioria das vezes é extremamente vantajoso, já que o empreendedor pode se preocupar apenas com a gestão da loja e nas questões e comerciais do ecommerce. E como ele possuí  menor custo, você pode investir mais no marketing da loja, e aumentar ainda mais seus lucros.

Mensure os resultados do ecommerce

Como mencionamos antes, mensurar seus resultados faz com que você consiga ter uma melhoria contínua. Hoje existem diversas ferramentas que são ótimas aliadas para analisar seus resultados, como: Google Analytics, Facebook Insignts e Instagram Analitycs. Com dados extraídos dessas plataformas, você conseguirá entender como está o andamento de suas estratégias e ajusta-las de acordo com as necessidades.

Um dos cálculos que você pode aplicar no seu negócio é o ROI. Que consiste no cálculo de retorno sobre os investimentos, é uma métrica usada para saber se os investimentos da empresa estão dando certo.

Tenha em mente que as maiores empresas também começaram do zero, está tudo bem se algo não sair como o planejado! Se dê espaço para errar, planejar e executar. Desejamos sucesso na sua jornada empreendedora 😉 <3

E depois de tudo isso, a próxima etapa é viabilizar o seu negócio, já falamos isso por aqui, e não é uma tarefa fácil. Quer saber sobre o que você precisa para viabilizar seu negócio? Clique aqui e acesse o conteúdo.

Marketing RODERJAN

Deixe seu comentário

QUER SABER MAIS?
FALE COM A RODERJAN

LIGUE PARA NÓS
(47) 3261-7700